Nutra saúde

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

ALIMENTAÇÃO E REFLUXO GASTROESOFÁGICO

                    
 

      Quem já não sentiu aquela sensação desagradável de ter engolido uma bola de fogo que fica “queimando” o estômago e chegando até a garganta depois de ter se alimentado? Pois é, o nome técnico que a medicina dá para este sintoma é pirose, também conhecido popularmente por “azia”. Estima-se que cerca de 45% da população ocidental já tenha experimentado esta desagradável sensação pelo menos uma vez no mês e que 5 a 10% deste grupo possa repetir o sintoma diariamente. Não à toa é considerado um dos problemas mais comuns do aparelho digestivo, segundo a Federação Brasileira de Gastroenterologia. Embora possa ser um sintoma casual por um “excesso” de volume de alimentos, como comer exageradamente uma feijoada com muita pimenta regada à muitas caipirinhas, pode ter também uma causa específica conhecida como “refluxo gastroesofágico”.  Neste caso, o problema está na falha de um mecanismo natural (esfíncter inferior do esôfago) que evita que a acidez do estômago volte (“reflua”) para o esôfago. Quando esta falha ocorre, o suco ácido do estômago entra em contato com a parede interna do esôfago causando uma sensação de “queimação” na região,  podendo chegar até a garganta e causando um gosto azedo e ácido na boca. Na persistência deste quadro poderá surgir uma inflamação crônica do esôfago levando à formação de úlceras nesta região e até mesmo aumentar o risco de câncer esofágico.  

    Existem pessoas como gestantes, idosos e com excesso de peso ( com “aumento da barriga”) que tendem à ter mais facilidade de desenvolver o refluxo, mas também outros fatores como hérnia de hiato, tabagismo e determinados alimentos também contribuem para este quadro.  Vamos falar então agora dos alimentos nessa questão, existindo uma lista deles abaixo que pode desencadear ou exacerbar o refluxo gastroesofágico:

- Comidas gordurosas e frituras.

- Chocolate.

- Alimentos muito condimentados, principalmente com pimenta.

- Bebidas com cafeína.

- Frutas cítricas ( somente para algumas pessoas, é individual esta intolerância ).

- Essência de menta.

- Molhos de tomate.

- Alho e cebola ( somente para algumas pessoas, é individual esta intolerância ).

       Como lidar então com o refluxo ?  Quando a causa, como a hérnia de hiato por exemplo,  puder ser corrigida cirurgicamente o problema fica definitivamente corrigido.  Quando a causa são os maus hábitos como tabagismo, bebidas alcoólicas e comer em excesso, basta evitá-los que haverá boa melhora do refluxo.  Se são os alimentos citados acima os vilões da história é fundamental excluí-los do dia a dia que certamente trará melhor controle do quadro clínico.  Alimentos que diminuem a acidez do estômago podem contribuir para a diminuição da sensação de “queimação” após as refeições, como os legumes e verduras, com especial efeito positivo do “suco de couve” batido no liquidificador e não coado,  até 2 vezes ao dia, sendo considerado um alimento “alcalinizante” do estômago.

     Evitar refeições com quantidades exageradas, principalmente com os alimentos citados acima, evitar roupas muito apertadas, elevar a cabeceira da cama e evitar refeições maiores até 2 horas antes de dormir são atitudes que podem diminuir bastante os episódios de refluxo gastroesofágico, funcionando bem na sua prevenção.  Também existem tratamentos com medicamentos específicos, com orientação médica, que podem contribuir para o melhor controle dos sintomas e conjuntamente com a reeducação alimentar e correção de hábitos inadequados devolver a sensação de bem estar e qualidade de vida, já que ninguém merece tornar um suplício o grande prazer de uma refeição, feita com calma, em ambiente tranquilo, com alimentos saudáveis e porque não, acompanhado por pessoas de alto astral. Um brinde aos bons hábitos e cuide-se!    

Nenhum comentário:

Postar um comentário